anambezinho
 

(Iodopleura pipra leucopygia)

Características

É uma espécie pequena que permanece quase o tempo todo no alto das copas, pousando em pequenos galhos expostos. Seu voo é em poucas batidas rápidas de asas seguidas por uma breve pausa. Prefere vocalizar e procurar recursos no meio ou nas bordas das clareiras. É mais comum no litoral e pode ser observado em beiras de estradas rurais e bordas de brejos de taboa. Tem o hábito de permanecer em finos galhos expostos no alto das copas das árvores, sendo raros os encontros com esta ave próximo do chão. O macho defende seu território emitindo seu canto agudo e marcante “suíí-si”, facilmente reconhecível. 

Atualmente, está criticamente ameaçada de extinção na Lista Nacional da fauna ameaçada de extinção. É considerada uma ave rara e muito sensível à perda e fragmentação de habitat, ocorrendo em poucos remanescentes florestais da Mata Atlântica Nordestina. A perda e fragmentação do habitat é a principal causa de ameaça.

 

Mede cerca de 9,5 centímetros de comprimento e pesa cerca de 10 gramas. Suas asas são longas, cauda curta e plumagem macia. Apresenta coloração cinza, com tonalidades rosa-pardacentas na garganta e na cauda. As partes inferiores com tons de branco e cinza.  O macho possui ao lado do peito um tufo de penas longas e de cor violeta. Quando está alterado exibe a zona lilás, eriçando-a e afastando um pouco as asas

Alimentação

Alimenta-se de pequenos frutos da mata atlântica mas também pode capturar insetos e suas larvas na galharia ou apanhando-os no ar em voos curtos.

 

Reprodução

Inicia seu período reprodutivo no começo do outono, quando os machos a cantar e brigar entre si para defender o território.. O casal se forma e inicia a construção do ninho no final de Junho. É justamente durante estes meses de inverno que a espécie constroi seu pequeno ninho sobre alguma curva de um galho seco. As árvores escolhidas para a construção são sempre as que perdem suas folhas no inverno A fêmea constrói o ninho usando material que coleta. O ninho é muito pequeno e de difícil detecção a olho nu devido a seu diminuto tamanho e sua camuflagem, pois a ave o decora com musgos e líquens.

Durante este período o macho fica empoleirado nos galhos próximos e ataca qualquer pequena ave que ouse se aproximar. Choca normalmente um único ovo por postura.

 

Distribuição Geográfica

Sua distribuição estende-se de Minas Gerais a São Paulo e no Nordeste (Bahia, Alagoas, Pernambuco e Paraíba).

​Andreza Silva

icone-instagram.png

@andreza_arte