Mutum-de-alagoas

(Pauxi mitu)

Mapa de distribuição da espécie

Características

O mutum-de-alagoas é uma espécie considerada extinta na natureza, sendo um dos primeiros casos de extinção no Brasil por causa de ações humanas, principalmente devido a destruição de seu habitat e ser alvo de caça. Atualmente, essa espécie pode ser observada apenas em cativeiro, por causa do Plano de Ação Nacional (PAN) para a Conservação do Mutum-de-alagoas que trabalha para aumentar o número de aves e assegurar a reintrodução nos remanescentes florestais de Mata Atlântica.

É uma espécie terrícola, ou seja, vivem sobre o solo e são capazes de subir em árvores para construir o ninho, passar a noite ou fugir de predadores, além de viverem exclusivamente em florestas. Seu porte é considerado grande, variando de 83 a 90 cm, e seu peso varia entre 2,75 e 3,0 quilogramas. Sua plumagem é inteiramente negra e possui alguns reflexos azulados, na ponta de sua cauda a coloração muda para amarelo. Já no seu abdome e na parte inferior da cauda as penas são marrons. Por fim, seu bico apresenta duas cores, vermelho na base e tornando-se rosa claro em direção à ponta.

 

Alimentação

Se alimenta principalmente de frutos caídos no solo, embaixo das fruteiras, sementes e restos de vegetais.

 

Reprodução

Começam a se reproduzir a partir dos 3 anos de idade, cada postura dura 29 dias e as fêmeas colocam em média 4 ovos por ano.

 

Distribuição Geográfica

A distribuição original dessa espécie não é muito certa. Estava presente na Mata Atlântica localizada nos estados de Alagoas e Pernambuco e foi extinta ao norte do rio São Francisco, em uma área conhecida como CEP (Centro de Endemismo Pernambuco).

Sem título.png23.png

​Andreza Silva

icone-instagram.png

@andreza_arte